Governo Bolsonaro rastreia posições de internautas e sites na internet

0
8

O Governo Federal, agora encabeçado pelo presidente Jair Bolsonaro, divide internautas, sendo influenciadores e sites, como “viés de esquerda” e “apoiadores”, afirma O Estado de S. Paulo. O jornal alega acesso a relatórios sigilosos de monitoramento de mídias digitais que são produzidos por uma agência contratada pelo Palácio do Planalto.

Atrito entre Bolsonaro e Maia foi categorizado como “desentendimentos entre parlamentares e articulações para a Nova Previdência”

Segundo o Estadão, parlamentares da oposição de Bolsonaro são categorizados como “velha política”, em “termos da militância bolsonarista”. A agência ainda separa ataques que são realizados ao presidente e governo com potencial de viralização na internet.

Entre os dados, os documentos mostram que o atrito entre Bolsonaro e Rodrigo Maia, presidente da Câmara, registrou 29,3 mil menções na manhã da última terça-feira (26) pelas redes sociais. No relatório, o atrito foi categorizado como “desentendimentos entre parlamentares e articulações para a Nova Previdência”.

A reforma da Previdência é um dos pontos mais importantes no relatório, como você pode conferir na reportagem. Como nota, os opositores enfatizam nas redes sociais a palavra “sacrifício”, para relacionar ao trabalhador com a possível chegada da medida.

Kim Kataguiri (DEM-SP) também foi monitorado e colocado próximo de veículos categorizados como “viés de esquerda”

Entre os registros do Planalto, são vistas publicações de, por exemplo, Guilherme Boulos — candidato derrotado à Presidência pelo PSOL em 2018 — e usuários de internet relatando críticas negativas à ausência do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara, na terça-feira passada (26).

O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) também foi monitorado e colocado próximo de veículos categorizados como “viés de esquerda” pelo Governo Federal, como Catraca Livre e Revista Fórum. Kataguiri ‘ganhou’ aparece no relatório após dizer que a Previdência “morreu” com a falta de diálogo entre Planalto e Congresso — e foi replicado pelos veículos com “viés de esquerda”.

Outro ponto monitorado pelo governo como negativo foi a decisão do presidente de comemorar o golpe de 1964. De acordo com os relatórios do Planalto, a decisão atrapalhava o debate da reforma.

Cupons de desconto TecMundo:

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here